Dicionário Fashion


Hype, basfond, jetsetter, make, skinny, chemisier, scouters, tressé. Você sabe o que significa cada uma dessas palavras? Dependendo do seu "grau" de fashionista, você pode conhecer todas ou nenhuma. Mas não se sintadémodé caso você não entenda as linguagens dessemétier, afinal, centenas dessas palavrinhas são usadas no mundo da moda e, se esse universo não é sua área de atuação, você pode se dar ao luxo de não usá-las. Entretanto, conhecê-las é, no mínimo, interessante. Pensando nisso, o Bolsa de Mulher preparou um minidicionário para que lulu nenhuma considere você out of fashion.
É assim em qualquer meio profissional. Cada profissão tem sua carga de jargões específicos. Utilizar termos em inglês é muito comum entre as mais diversas carreiras. É bem verdade que muitas pessoas se utilizam dessas expressões para demonstrar conhecimento e superioridade, mas também não há mal nenhum estar por dentro dos termos usados em algumas profissões. E como moda é um assunto muito presente no nosso dia-a-dia, é bom não fazer feio na frente de ninguém.
Na moda, além dos termos em inglês e francês, é comum o uso de gírias vindas do universo gay, afinal eles são maioria na área. Segundo a produtora de moda do Fashion Rio, Paula Barros, "o legal é saber mesclar o uso de gírias com termos técnicos, que dificilmente são traduzidos para o português. Não dá pra sair falando diversos termos estrangeiros numa frase só, pois a pessoa pode parecer esnobe ou, o que é pior, deslumbrada. O ideal é que as palavras saiam naturalmente, sem forçar a barra".
Desconstruindo a moda
O pior é quando não entendemos termos específicos colocados em jornais ou revistas. Atento a esse vocabulário peculiar, o designer de jóias Marcos Sabino lançou o livro "Dicionário da Moda", da Editora Campus-Elsevier. A obra conta com mais de 1.300 verbetes, entre termos estrangeiros, gírias e informações sobre moda e profissionais do mercado nacional e internacional. Termos como evasê, stilyst, cardigã, folk, pelerine, trench coat e os mais diversos estrangeirismos que a moda adora inventar.
Marcos afirma que após o início das pesquisas e da redação dos verbetes, percebeu que o livro teria de ser bem maior. "A intenção de preservar e homenagear profissionais da moda nacional, a curiosidade e o fascínio com o universo da indumentária e da moda internacional, somados à necessidade da documentação com muitas fotos, reproduções, croquis e desenhos, acabaram levando a um livro com mais de 600 páginas. E, na verdade, ele poderia ter chegado às mil páginas ou a dois volumes tranqüilamente", relata. O autor afirma ainda que o fato de sermos um país colonizado e ainda muito influenciado por outras culturas do hemisfério norte não seriam a única justificativa para explicar a presença de tantos galicismos e anglicismos em nossa língua, mas, segundo ele, esses termos têm sua função.
O autor reconhece que existem muitas palavras que são difíceis de serem traduzidas, mas alerta que há muitos exageros na nossa linguagem verbal diária. "Não vejo necessidade de chamar capuz dehood, por exemplo". Marcos acredita que pelo interesse crescente pela moda, incorporaremos ainda mais termos estrangeiros. "É um esnobismo meio jeca-tatu. O mundo da moda é como de um circo, tem seu roteiro e os papéis quase sempre são os mesmo. O elenco é que muda de tempos em temos, ou seja, como em todo circo, há os que gostam de ser palhaços", compara, lembrando que tudo é uma questão de postura e atitude.
Entretanto, existem algumas palavras que possuem tradução direta, mas as pessoas cismam em usar a versão inglesa da mesma forma. A palavra fashion é uma delas. Mas Marcos tem uma explicação para isso. "Usamos muito a palavra "moda" também, mas não usamos mode, em francês. Fica esquisito, não?Fashion é muito sonoro e internacional. A palavra tem a força necessária. É universal", diz.
Verbetes
Para incrementar seu vocabulário fashion, ou melhor, da moda, selecionamos alguns termos e expressões bastante utilizadas entre os fashionistas (ops!). Agora é só esperar o momento certo para usá-los e deixar claro que você é uma mulher inteligente, antenada e que tem savouir- faire.
AMORElA: Tecido artificial que imita a seda. É usado em roupas femininas para o verão.
AUTRICHES: Arranjos de plumas.
BAGGY: Calça larga nos quadris, afunilada nos tornozelos.
BAJADIERE: Bolsa grande.
BALCONNÉ: Decote ousado, com alças e barbatanas.
BARRETE: Touca com pompom.
BARROCO: Na moda, o Barroco é seguidamente retomado por meio de peças que lembram o clima eclesiástico e o estilo medieval (tons pastel, tecidos rústicos, mantôs, capuzes, capas, casacões, batas pesadas, especialmente no inverno).
BASFOND: Babado forte
BASQUINE: Saia enfeitada, usada no século XVI, muito ampla, mantinha-se aberta e esticada sobre círculos. Ela se confundia com uma anquinha.
BODY: Maiô para uso de lingerie.
BOLERO: casaco curto e aberto, que cobre somente os ombros e seios e deve ser usado sobre regatas. O bolero pode ser com ou sem mangas.
CACHE-COEUR: Tipo de blusa com decote transpassado e drapeado sobre o peito.
CAMISA AFRICANA: Camisa larga e aberta lateralmente.
CANNADIÈNNE: Casaco de lã, muito esportivo, comprimento ¾, abotoamento com trespasse com quatro ou seis botões. Nas costas pode não ter franzido.
CANGURU: É um modelo de blusa, camisa ou jaqueta que tem bolsos frontais dispostos no meio da peça e capuz.
CARDIGÃ: Casaco de lã sem gola e com abotoamento central, que pode ser usado sobre outras peças.
CHEMISIER: Vestido abotoado na frente, como uma camisa masculina.
CORSELET: Corpete justo, sem alças e com formato de lingerie, que vai até a altura dos quadris
CORTE ENVIESADO: Corte em viés que favorece o caimento da roupa
CURRENT FASHION: Moda atual
DEGAGÈ: Decote livre ou gola aberta, afastada do pescoço ou colo.
ECHARPE: Lenço longo e estreito que envolve o pescoço.
ESCOCÊS: Espécie de xadrez, usado pelos clãs da Escócia. É a estampa característica do Kilt.
ESTRELADOS: Homens ou mulheres famosos e ricos
EVASÊ: saia com corte um pouco mais amplo na parte inferior.
FOLK: Estilo desenvolvido através de inspiração em itens folclóricos de um país ou região.
FASHION DESIGNER: Estilista
FASHION EDITOR: Editor de moda
FASHION SCENE: cena fashion
FASHION SEASONS: Temporadas de desfiles
GILET: Coletes curtos, abertos ou não.
GODÊ: Saia ampla e rodada, com uma modelagem muito ampla na parte inferior.
GORGURÃO: Tecido de seda, sulcado como o veludo cotelê.
HABILLÈ: Literalmente, vestido. Popularmente, é o vestido enfeitado, luxuoso, o que não impede que seja curto.
HIGHLIGHTS: O momento mais quente, a sensação de um desfile, de algo evento
HYPE: Excesso de propaganda, algo que cause muita expectativa antes de seu lançamento, euforia de divulgação. Na moda, é algo como moderno, da última moda.
HAUTE COUTURE: Alta costura
HEAT: Algo quente, caloroso
HIT: Algo que é o sucesso da estação
HOMEWEAR: Roupa prática e confortável para ser usada em casa.
JARDINEIRA: Macacão esportivo que deve ser usado com camisa ou T-Shirt.
JET SET: Grupo de pessoas na sociedade que tem poder aquisitivo suficiente para viajar freqüentemente de avião, especificamente de jatinhos particulares.
IT GIRL: A garota do momento
IT GUY: O rapaz do momento
LABEL: Grife
LITTLE BLACK DRESS: Pretinho básico
LULUS: Meninas ricas, patricinhas
MANTILLE: Vindo da Espanha, reduzido do antigo mantô, usado tanto pelas viúvas quanto pelas mocinhas, que deviam cobrir o rosto.
NEGLIGÈ: Um tipo de roupão em tecido leve e transparente, que se usa na intimidade por cima da camisola.
OBI: Originalmente, o cinto que amarra os quimonos japoneses. Hoje, indica uma tira larga de tecido, couro, ou outro material, que dá duas voltas na cintura e amarra com um nó na frente.
OUT OF FASHION: Fora de moda
PANTALONA: Calça comprida com as pernas largas, que podem ou não ter pregas na cintura.
PAPETE: Sandália que prende basicamente por três tiras horizontais. A primeira fica próxima aos dedos, a segunda na metade do peito do pe, e a terceira atrás do calcanhar. Pode ter variados tipos de saltos e ser feita com lona, nylon ou couro.
PELERINE: É uma peça curta e de modelagem godê que cobre apenas os ombros e a parte superior dos braços.
PRÍNCIPE DE GALES: Estampa inglesa cm efeito visual semelhante ao xadrez, geralmente em marrom, bege e cinza.
QUIMONO: Roupa típica do Japão, com ombros caídos e mangas largas que vêm da cintura. Tem a frente trespassada e é apenas amarrado com uma faixa (OBI). É a roupa característica dos esportes orientais.
RISCA-DE-GIZ: Padrão de tecido com riscas muito finas e claras sobre tecido escuro.
RETRÔ: É um termo usado para roupas antigas que voltam à moda.
SAIA A: Modelo de saia com a forma de um A, é ajustada no quadril e se abre na barra.
SARJA: Tecido extremamente forte, com riscas em diagonal.
SAVOIR-FAIRE: Saber fazer; habilidade; jeito. Na moda significa gente que entende do assunto, que saber fazer algo com elegância e charme.
SAVOIR-VIVRE: Saber viver.Ter conhecimento e prática dos usos e costumes da vida social, habilidade em lidar com os seres humanos em geral, decorrente da experiência da vida e do convívio com outras pessoas; tirocínio, discernimento. Na moda é utilizada pra te dizer que alguém sabe viver porque tem elegância, é fino.
STYLISTS: Profissional que cuida estilo de marca, ou produção de moda.
TRENDSETTER: Gerador de tendência, gente que lança moda.
TRENCH COAT: É um tipo de capa/casaco comprido, utilizado sobre outras roupas. Originalmente é uma modelagem inglesa masculina feita de gabardine, com pala nas costas e faixa na cintura, que se tornou um clássico do guarda-roupa feminino.
TRESSÉ: Couro trançado que dá forma a sapatos, alças de bolsas, cintos.
T-SHIRT: Camisa em forma de "T", camiseta.
TWEED: Tecido de fios retorcidos em tons mesclados.
UP: Dar um trato no visual, levantar o astral, deixar pra cima.
VINTAGE: Algo que pertenceu a uma nobreza
ZUAVE: Calça comprida, reta, franzida nos tornozelos. Era o uniforme dos soldados franceses na Argélia. Texto:Bolsa de Mulher

Adorei, vou voltar aqui nesse post sempre que precisar usá-las!!!!