Evento de 40 anos do Sebrae


No dia 9 de outubro, em Brasília, ocorreu a solenidade em comemoração aos 40 anos do Serviço Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas-Sebrae. 
"Lembrar os feitos do passado e renovar os compromissos com o desenvolvimento futuro das micro e pequenas empresas (MPE) brasileiras."
Esse foi o tom dos pronunciamentos oficiais durante a solenidade oficial. Ministros de estado, secretários-federais, parlamentares, prefeitos, empresários, colaboradores e entidades parceiras prestigiaram o evento. A Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais-BPW Brasil, parceira da instituição, no Premio Sebrae Mulher de Negócios, prestigiou a solenidade, sendo representada pela vice-presidente, Mara Dall Negro.

Mara Dal Negro, vice-presidente da BPW Brasil, no evento de aniversário do Sebrae

O  presidente do Conselho Nacional do Sebrae, Roberto Simões, foi o primeiro a falar. Ele lembrou o peso das MPE na economia nacional. “O segmento absorve 52% da mão de obra ocupada. Daí vem o reconhecimento da importância do Sebrae, que sempre foi o defensor maior das MPE”, declarou.
Melhorar o acesso ao crédito, diminuir a burocracia e aumentar a competitividade foram algumas das ações em que a instituição se envolveu nas últimas quatro décadas lembradas pelo diretor do Conselho Nacional. “Todas essas conquistas revelam dedicação e competência do quadro técnico do Sebrae”, disse.
Sobre os compromissos futuros para os próximos anos, Simões apontou a necessidade de dobrar a participação dos pequenos empreendimentos no Produto Interno Bruto (PIB) nacional, que hoje é de 20%, além de melhorar a inserção desse segmento nas exportações, que representa apenas 1% do total. “O Sebrae tem condições de encarar esses desafios, mas não o fará sozinho. As parcerias serão ampliadas. Juntos podemos continuar a concretizar os sonhos”, afirmou.
Desafios
A exemplo do diretor do Conselho, o presidente do Sebrae Luiz Barretto também jogou luz sobre os desafios para a próxima década. “Esse não é só o momento de olhar para trás. Estamos olhando para o futuro, para os próximos dez anos e planejando qual será o legado que iremos deixar para a economia brasileira”, afirmou.
Segundo Barretto, nos últimos 40 anos o perfil do empreendedor mudou, assim como a economia. Nesse período, o país pulou da 12ª economia mundial para sexta, com reflexos no mercado de trabalho, fortalecimento do mercado interno e aumento das formalizações. Com isso, Barretto lembrou que o Sebre também precisou se modernizar para alcançar seus objetivos. “Hoje, atendemos no balcão, mas também ampliamos a assistência a distância, pelo telefone ou internet”, disse.
“No passado, a maior parte dos brasileiros que abria negócio o fazia por necessidade. O mercado de trabalho estava difícil, então a pessoa abria um comércio, investia em um serviço para sobreviver. Hoje, a principal motivação para empreender é a oportunidade de negócio”, apontou o presidente da instituição.
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, representou a presidente Dilma Rousseff no evento e encerrou os pronunciamentos oficiais. Pimentel também lembrou a trajetória da instituição “que foi da ditadura à democratização”. Temos um patrimônio para mostrar nos últimos 40 anos. E o Sebrae faz parte dele”, disse o ministro.
Pimentel destacou ainda o esforço da instituição na formalização de aproximadamente 2,5 milhões de Microempreendedores Individuais (MEI) nos últimos anos. E concluiu: “o Sebrae é a cara do Brasil. Que o país continue sendo o guia dos nossos sonhos”.
O encerramento foi com show de Zélia Duncan.
Fonte: Agência Sebrae de Notícias