|Gestão| 2014: O ano das mulheres empreendedoras!

Nada de tarô ou horóscopo. Para saber como será o ano das empreendedoras, a colunista da revista Forbes Geri Stenge recorreu a dados, pesquisas e estudos elaborados por companhias renomadas. E, ao que tudo indica, 2014 trará boas notícias.

Para começar, porque o número de mulheres à frente de negócios estruturados cresceu – e muito. Segundo a consultoria Womenable, a expansão foi de 57% na última década, enquanto o aumento geral de organizações com este mesmo perfil foi de cerca de 7%. Depois, porque as empreendedoras estão recebendo mais investimentos. 

A Center of Venture Research aponta que um de cada cinco investidores apostou em empresas lideradas por mulheres em 2012. Ainda é pouco, mas o resultado representa um aumento de mais de 40% na comparação com o obtido em 2011.


E tem mais. A colunista listou ainda outros bons motivos para empreendedoras acreditarem em si e mergulharem de corpo e alma em seus objetivos neste ano.
Veja abaixo:

1. As mulheres têm as habilidades certas

Um estudo conduzido pela consultoria Zenger Folkman com executivos de grandes empresas apontou que as mulheres são melhores líderes do que os homens. “Elas formam equipes melhores, são mais queridas e respeitadas como chefes, tendem a combinar melhor seu pensamento lógico e sua intuição, estão mais conscientes das consequências de suas ações no ambiente corporativo e são mais capazes de calcular com precisão o que é preciso fazer para cumprir uma tarefa”, disseram os responsáveis pela pesquisa, Jack Zenger e Joseph Folksman, à revista Forbes.

O mais chocante de todos os dados apurados por eles, no entanto, é que as mulheres se saíram muito bem em algumas das habilidades que, até pouco tempo atrás, eram relacionadas ao sexo masculino. Segundo os especialistas, as gestoras atingiram a nota máxima quando eram avaliadas sobre sua capacidade de tomar iniciativa e entregar resultados, ficando na frente de todos os chefes homens avaliados. Fora isso, uma análise feita pelos especialistas John Gerzema e Michael D'Antonio, concluiu que as características mais valorizadas em um líder hoje em dia, como cooperação, comunicação e compartilhamento, são mais associadas ao sexo feminino do que ao masculino.

2. Mulheres que lideram companhias de capital fechado entregam resultados financeiros mais eficientes

Um estudo feito pela Dow Jones VentureSource, centro de dados e pesquisa da Dow Jones, mostrou que companhias com mulheres ocupando cargos seniores apresentam resultados melhores e tem maiores possibilidades de sucesso do que aquelas que possuem apenas homens no comando. Outro resultado do estudo diz que as empresas de Venture Capital que investiram em negócios chefiados por mulheres se saíram melhor financeiramente do que os investidores que apostaram apenas em empresas cujas diretorias são dominadas pelo sexo masculino.

3. A diversidade melhora a performance

Outro estudo, desta vez conduzido pela consultoria Illuminate Ventures, afirma: organizações com mulheres nos postos de comando tiveram um Retorno sobre o Patrimônio (ROE, na sigla em inglês) 35% maior do que aquelas que só têm homens em sua administração. O ROE é um indicador financeiro que aponta a capacidade de uma empresa em agregar valor a ela mesma usando recursos próprios. 

4. Poder de compra inexplorado

Outro ponto importante destacado pela autora da Forbes é até um pouco óbvio, mas passa despercebido por muitas companhias. As mulheres não saem comprando produtos feitos por outras mulheres apenas porque são do mesmo sexo. Mulheres entendem mulheres. E, por isso, são capazes de pensar em itens que se encaixam melhor dentro das necessidades desse público. Com 80% da capacidade de consumo controlada por mulheres e com a influência feminina nas compras feitas pelo sexo masculino, não dá para deixar essas informações de lado.

5. Mulheres nunca param de aprender

“Todo empreendedor que eu conheço atingiu o sucesso usando todas as formas de aprendizado que estavam disponíveis. Admitir que você não sabe tudo – e nunca saberá – é a chave para crescer”, diz Stenge. E, ao que parece, as mulheres têm mais vontade de crescer. Pelo menos é o que mostra o trabalho da Zenger Folkman. Segundo o estudo da consultoria, as executivas investem mais tempo em seu desenvolvimento do que os homens. “Mulheres ouvem melhor, leem publicações e livros e vão a treinamentos de desenvolvimento profissional” diz a pesquisa.


Fonte: Revista PEGN


Eu acredito no poder feminino, acredito que estamos dispostas a enfrentar a concorrência e agarrar com toda nossa fé as oportunidades que nos aparecem!!! E estamos aqui, sempre nos preparando para que o ano seja incrível!!! Beijos, amores!!!!


Moda e Gestão no Instagram> Moda & Gestão