Como pensam os recrutadores - dicas para entrevista de emprego


Quem nunca cometeu algum erro na entrevista? Certas vezes, vamos às entrevistas de emprego tão nervosos que não levamos em consideração que eles também podem errar. Nesta situação, vale o clichê: somos humanos e, portanto, imperfeitos. Saiba no que os recrutadores podem pecar e use estas situações a seu favor.
Ótimas dicas!


1. Entrevistas normalmente exigem presença
Isso faz com que elas saiam caras, porque gastam o tempo do entrevistado, além de ele gastar com locomoção e outras fatores. 

2. Cansaço de viagens
Recrutadores e candidatos, às vezes, têm que viajar para fazer a entrevista. Pegar o avião um dia antes cansa e isso pode influenciar na performance de ambos.

3. Vender a empresa
Normalmente, os recrutadores não “vendem” nem explicam a empresa suficientemente. Os candidatos que estiverem envolvidos em outros processos podem acabar escolhendo outras companhias.

4. Habilidades requeridas na entrevista não contam para o emprego
Em geral, para suceder em uma entrevista, basta se comunicar bem. Mas isso não significa que, para ser bom no trabalho em questão, ele precise ser extrovertido. Exemplo, um engenheiro que souber falar bem pode passar na entrevista, embora não seja bom em cálculo. Por isso, uma entrevista nunca deve decidir nada sem uma prova.

5. Entrevistas em grupo
Esse tipo de entrevista, normalmente, é intimidador. Primeiramente porque é como se fosse “muitos contra um” analisando qualquer falha que possas cometer. Os candidatos também podem se frustrar se o profissional de RH pergunta algo específico e o gerente técnico pergunta algo geral.

6. Procurando razões para rejeitar-te
Na maioria das vezes, os entrevistadores procuram razões pelas quais você não deve ser contratado e acabam deixando de focar nos seus aspectos positivos. Em alguns casos, um simples erro pode desclassificar você porque os entrevistadores estavam atrás dos seus defeitos, em vez de criar uma relação sóbria entre problemas e qualidades.

7. Efeitos pessoais
Frequentemente, o avaliador se impressiona demasiadamente com características pessoais (por exemplo, boa aparência). E, erroneamente, assume que tudo em relação ao candidato é positivo devido àquele único fator.

8. Efeito do contraste
Se o entrevistador tiver passado por diversas entrevistas ruins e o próximo tenha uma performance muito superior aos antecedentes, o último será privilegiado. O contrário também vale.

9. Personalidades
A pessoa que fará a entrevista pode estar nervosa, envergonhada e pouco comunicativa e não será contratada provavelmente por isso. Embora a empresa não esteja precisando de oradores ou de pessoas muito confiantes.

10. Questão de adequação
É normal que já tenha escutado alguma vez “você não se adequa ao perfil da empresa”. Na verdade, algumas estatísticas têm provado o contrário. Primeiro, porque a empresa normalmente busca alguém inovador, que traga boas mudanças à companhia. E segundo porque se adequar ao cargo significa ser parecido com o funcionário de RH que está entrevistando você. Se a vaga não for para o setor de Relações Humanas, esse pensamento não será eficiente.

11. Falar e escutar
O recrutador tem que escutar mais do que falar. Infelizmente, eles não levam muito em consideração esta regra. Isso frustra os candidatos e limita a quantidade de informação da qual o entrevistador vai dispor.

12. Bom demais
Ocasionalmente, os entrevistadores (normalmente profissionais de RH) rejeitam aqueles que foram extremamente bem na entrevista porque pensam que algo deve estar errado. Normalmente, eles acreditam que este candidato está mentindo.

13. Habilidades do entrevistador
Não há um curso nem avaliações para entrevistadores. Poucas empresas analisam se quem foi muito bem na entrevista teve desempenho dentro da empresa semelhante. A entrevista acaba sendo algo arbitrário porque, normalmente, os profissionais de RH não têm uma direção estabelecida.

14. Questões ilegais
É comum que surjam questões ilegais na entrevista. É também possível que os candidatos ofereçam inadvertidamente informações ilegais.

15. Poucas evidências
Como as entrevistas normalmente não são gravadas ou, ao menos, escritas, há poucas evidências do se passou, de fato, na avaliação oral. Isso pode implicar até em questões jurídicas.

16. Problemas de linguagem, culturais e de deficiência
Candidatos que falam uma língua diferente podem ser mais devagar e oferecer respostas mais lentamente devido a problemas culturais e linguísticos. Deficiências que afetam a fala podem impactar negativamente, embora falar bem não seja uma exigência da vaga.

17. Problemas com “quebrar o gelo”
O entrevistador pode contar uma história ao candidato para quebrar o gelo e esta pode ser racista, homofóbica, machista, etc. Isso, claramente, terá um mau impacto na performance do entrevistado.

18. Candidatos que mentem para o chefe
Pelo fato da maioria das entrevistas durarem entre 1 e 2 horas, os candidatos que não estão desempregados têm que mentir para seus chefes sobre porque de eles estavam horas afastados. Isso pode fazer com que eles acabem saindo no meio do processo de contratação.

19. Incerteza e falta de informação
É abuso de candidatos por parte da empresa quando os gestores não esclarecem o processo de seleção e o que espera-se dele na entrevista. Eles não sabem o que acontecerá na entrevista e quais habilidades são esperadas. Além disso, eles não sabem quem estará nas avaliações, o papel de cada analisador e quem tomará a decisão final. Por fim, é frustrante não receber nenhum feedback depois que o processo de seleção esteja completo.

20. Entrevistas fantasmas
Devido a implicações legais, os recrutadores têm que seguir fazendo entrevistas, mesmo que o candidato já tenha sido escolhido. Isso pode causar frustração e tomará o tempo à toa dos candidatos.

21. Enganado pelo entusiasmo
Alguns entrevistadores ficam tão empolgados com a animação e paixão do candidato que esquecem de verificar outras características e habilidades.


Fonte: Universia Brasil