A empresa e você. Você e a empresa.

Todo ano, a revista ÉPOCA publica com exclusividade o ranking com as 100 melhores empresas para trabalhar no Brasil, de acordo com o Great Place to Work (GPTW). É a primeira vez que o GPTW faz uma lista considerando todas as empresas escolhidas em cada um dos 46 países onde a entidade está.
Várias qualidades fazem com que essas multinacionais sejam tão boas. Tem a ver com remuneração, horários flexíveis, treinamento, qualidade do ambiente de trabalho. Não são só os diferenciais mirabolantes – como escorregador no escritório – que fazem delas boas empresas.
Parte da satisfação dos funcionários está na eficiência da comunicação. Na rede de hotéis Marriott, por exemplo, os quase 300 funcionários no Brasil são incentivados a falar quando têm algum problema. Existe um formulário, que não precisa ser identificado, no qual é possível mandar qualquer reclamação ou sugestão para o gerente geral. A “política de portas abertas” da empresa afirma que nenhum chefe pode estar ocupado a ponto de não receber um funcionário no momento em que é chamado.
Outra empresa entre as 25, a Telefônica, usa a internet como canal para ouvir os mais de 6 mil funcionários no Brasil. Em 2010, a empresa criou e melhorou várias ferramentas de conversa online. Os empregados podem brincar de serem jornalistas enviando informações e fotos sobre o que acontece na equipe. Os eventos da empresa contam com a cobertura transmitida em tempo real.  Online, os funcionários podem informar qualquer problema pelo qual estiverem passando. Na 3M, existem grupos de funcionários criados por afinidade. Vários perfis encontram uma equipe a qual se integrar: grávidas, amantes do esporte, voluntários, cantores, funcionários com mais de 20 anos de empresa e aposentados. Eles conversam e participam de eventos.
Prêmios e eventos são formas que as empresas usam para reconhecer e estimular o trabalho. A transportadora FedEx  distribui pelo menos dez prêmios (financeiros ou não) aos mais de 600 funcionários no Brasil. A cada cinco anos na empresa, todo empregado recebe um presente. Pode escolher o que deseja, de acordo o tempo de serviço, num catalógo com relógios, lunetas, joias, malas de viagem. O prêmio mais importante é dado a gestores e profissionais de suporte. Os concorrentes são indicados pelos outros empregados e podem ganhar de US$ 2 a US$ 10 mil. Em outra empresa, a SAS, do ramo de tecnologia, os diretores premiam desempenhos extraordinários com um cartão de compras de R$ 2.500,00. Os 80 melhores vendedores e gerentes de vendas  em todo o continente americano ganham uma viagem para um resort no Caribe. Na Diageo, do ramo de bebidas, acontece um happy hour a cada 15 dias, no escritório em São Paulo. Os centros de distribuição em outras cidades recebem verba para fazer as próprias festas.

Fonte: Revista Época