Costumes


Já notou como a gente se acostuma facilmente com hábitos e comportamentos? A rotina nos enfada de tal modo, que ela se torna familiar rápido demais e me pergunto como seria nossa vida se tudo que fazemos não estiver acompanhada da velha e inevitável rotina. Nos apegamos de tal modo ao mesmo intinerário, que não mais tê-lo, trata-se de um corte, uma cisão que geralmente dói.

A gente se acostuma a dormir tarde, acordar cedo com o mesmo toque no despertador, escovar os dentes quase sem ver, tomar um banho rápido e engolir um café manhã, quando não comemos no trânsito. Acostumamos aos engarrafamentos, aos sinais fechados, às fechadas dos veículos, a ouvir as mesmas músicas, nas mesmas rádios e ao som turbulento do dia a dia.

A gente se acostuma a comer sem tempo, ao mesmo restaurante, sentando na mesma mesa, escolhendo o mesmo cardápio e quando não tem o que já estamos acostumados, nos alimentamos mal. Acostumamos a esperar o outro, a ser complacente com o atraso, a atrasar em nossos compromissos e assim, acostumamos às 24h que passam voando sempre.

A gente se acostuma a engolir sapos, a não receber elogios, a não ser reconhecido, a esticar um pouco mais no trabalho, a fazer as mesmas tarefas e no surgimento de uma nova, sofremos e sofremos... Acostumamos com a mesa no mesmo lugar, o telefone barulhento, o ar condicionado muito frio, às mesmas pessoas sempre do mesmo jeito e com as cobranças sem fim.

Acostumamos a receber um "não", a levar foras, a beijar sem sentimento, a curtir as baladas com o mesmo som, a mesma luz, os mesmos rostos, as mesmas bebidas. Acostumamos a nos "divertir' mal e acostumamos a dizer que foi bom. A gente se acostuma a ficar, ficar... a fingir que ama, a fingir que tá gostando, a ficar sozinho, a conviver com a solidão disfarçada de "estou bem". A gente se acostuma com as pessoas, a não lhes prestar atenção, a não dar e nem receber carinho.

Nos acostumamos a não dar bom dia, a não sorrir, a não nos comprometer com o outro, a não pensar coletivamente. Nos acostumamos com o medo nosso de cada dia, com a ingratidão comum e diária. Acostumamos a não agradecer por quase nada, a não ver as flores do caminho, nem as lacunas dos concretos. Acostumamos com a política, com a corrupção, com as traições e infortúneos.

Acostumamos a ir ao médico só na emergência, a planejar sonhos que quase sempre não se realizam, à garganta que não sara, a não tomar água o suficiente, aos calos nos pés, à barba por fazer. Uma pena que nos acostumemos com as dores sentimentais, com o dia a dia cinzento e nublado, com a insalubridade de algumas amizades, às dietas sem efeitos e sem fim, aos flanelinhas pedindo notas, às contas que vencem todo mês, aos natais insosos e familiares.

Acostumamos a chorar, só quando perdemos. A dizer eu te amo, quando quem deve ouvir não ouve mais. Acostumamos a dar bouquês quando morrem ao nosso lado e acostumamos tanto à vida que nunca vemos a importância de uma pequena flor em vida. 

Acostumamos a acostumar.


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, especialista em educação especial e inclusiva e professor universitário em Goiânia-GO.